Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Você está aqui: Página Inicial Direitos das crianças Educação Escola e Alunos Por que tem crianças que sempre estudam por obrigação?

Por que tem crianças que sempre estudam por obrigação?

— registrado em: , ,

Esta foi a pergunta feita pela Aninha, de 9 anos.

O filósofo americano Matthew Lipman, que desenvolveu um método para ensinar filosofia para crianças, disse algo muito interessante sobre as crianças que poderia ajudar a responder sua pergunta:

“Seja qual for o ambiente familiar, elas chegam à escola com os olhos brilhantes, curiosas e dispostas a aprender. Entretanto, por volta do terceiro ano, a curiosidade de muitas crianças começa a desaparecer e, depois de aproximadamente metade de sua vida escolar elas começam a suspeitar que são obrigadas a ir à escola não porque isso seja bom para elas, mas simplesmente para que tomem conta delas e as preparem para o mercado de trabalho.

Não queremos dizer com isso que as escolas são completamente sem graça; é na escola que encontramos os nossos amigos e desfrutamos uma vida social com pessoas da nossa idade com as quais podemos nos comunicar. Contudo, se a experiência escolar fosse tão rica e significativa como de fato pode ser, não veríamos tantas crianças detestando ir à escola”.

Aprender a pensar - Para esse filósofo, o que os professores precisam fazer para tornar o estudo mais interessante é ensinar as crianças a pensarem, e não apenas obrigá-las a memorizar conteúdos. É desenvolvendo a habilidade de pensar por si mesmas que elas podem encontrar os significados que buscam para suas vidas, pois esses significados não podem ser dados prontos a elas pelos professores. Elas precisam construí-los por si mesmas, por meio do diálogo e da investigação, aprendendo a raciocinar de forma lógica, citando razões para as suas opiniões, buscando evidências para as hipóteses que levantam e coerência para os conceitos que formulam.

Quando a escola é capaz de ensinar a criança a pensar com autonomia e originalidade, ela vai estudar por prazer, e não por obrigação, pois será capaz de expressar seus pontos de vista a partir da sua experiência pessoal, e não apenas repetir os conteúdos do conhecimento adulto. Isso aumentará sua auto estima e o desejo de aprender e estudar.

Paulo Freire, um dos melhores pedagogos que o Brasil já teve, chamava de educação bancária aquela que leva os alunos a memorizar de forma mecânica os conhecimentos, pois ela os transforma  em espécies de vasilhas a serem enchidas pelos professores. Ele dizia:

“A educação se torna ato de depositar, em que os educandos são os depositários e o educador o depositante. Eis aí a concepção 'bancária' da educação, em que a única margem de ação que se oferece aos educandos é a de receberem os depósitos, guardá-los e arquivá-los”.

A atuação do MPF para melhorar a educação - O MPF também se preocupa com a qualidade da educação brasileira, e tem um grupo de procuradores dos Direitos do Cidadão que se dedica a cobrar do poder público políticas capazes de melhorar o ensino. Para você ter uma idéia, veja, a seguir, alguns temas da atuação desses procuradores em 2010:

  • Garantir o acesso democrático e isonômico aos cursos de pós-graduação, nas Universidades Públicas, através do aperfeiçoamento do processo seletivo.
  • Enfrentar a questão relativa à cobrança de contribuições compulsórias em estabelecimentos oficiais de ensino, em especial nos Colégios Militares.
  • Exigir a implementação de políticas públicas de educação profissionalizante para os adolescentes em conflito com a lei.
  • Exigir o fomento de políticas públicas de capacitação de professores para o magistério das disciplinas Filosofia, Sociologia (Lei 9.394/1996 – LDB), História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena (Leis 10.639/2003 e 11.645/2008) e Educação Ambiental (Lei 9.795/1999).
  • Exigir o acompanhamento e fiscalização do cumprimento dos requisitos de adesão ao sistema educacional para os beneficiários do Programa Bolsa Família.
  • Cobrar a promoção de mecanismo público que garanta a revalidação dos diplomas dos médicos formados em Cuba.
  • Exigir e acompanhar a fiscalização da qualidade do ensino universitário, incluindo o ensino à distância.


Fontes:
Filosofia na Sala de Aula -  Matthew Lipman
Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire

Leia também:

O que é a escola?

Convidamos você a visitar a página "Pergunte à Turminha" para conhecer mais perguntas feitas por outras crianças (e suas respostas)  e também a nos enviar as suas dúvidas.

 

Ações do documento
Ferramentas Pessoais