Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Você está aqui: Página Inicial Direitos das crianças Proteção contra abuso e exploração sexual Turminha no combate à exploração sexual de crianças e adolescentes
Início

     

     
 

   
  

 
   

  

 

Turminha no combate à exploração sexual de crianças e adolescentes

A Turminha do MPF não deixa o dia 18 de maio passar em branco. Esse é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. É o momento especial de conscientizar e informar a sociedade e as autoridades sobre a gravidade da violência sexual.

Instituída pela Lei Federal 9.970/2000, a data registra a cada ano mais mobilizações em torno do tema como caminhadas, audiências públicas, debates, concurso de redação nas escolas, exibição de filmes, realização de seminários, oficinas, campanhas e entrevistas com especialistas.

Essas manifestações são importantes para lembrar o direito das crianças e adolescentes ao desenvolvimento de sua sexualidade de forma segura e protegida, livres do abuso e da exploração sexual. Com esse objetivo, o Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes promove, anulamente, a campanha “Faça bonito. Proteja nossas crianças e adolescentes”. A campanha tem como símbolo uma flor, representando a fragilidade e  a  necessidade de defesa dos direitos de meninos e meninas.

As crianças da Turminha já conversaram muito sobre violência sexual com o professor Ari e a Vó Zita.  Aprenderam, por exemplo, o que é pedofilia, qual a diferença entre exploração e abuso sexual e por que escolheram o dia 18 de maio. Também já sabem que nesses temas o MPF atua de diversas formas: investiga, propõe punições e trabalha junto com a sociedade para prevenir essas práticas e garantir a proteção necessária às vítimas. E, quando surge alguma dúvida, consultam a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, responsável pela defesa dos direitos das crianças e adolescentes.

Outra coisa que a Turminha não esquece e gosta de espalhar é uma das formas que as pessoas podem denunciar casos de violência sexual infantojuvenil. É por meio do telefone no Disque 100, um serviço da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Basta discar o número 100 e contar o caso. Fácil, né?

Quer saber mais sobre o assunto? Confira o material abaixo e fique de olho nos seus direitos:

Professor Ari conversa com a Turminha sobre abuso e exploração sexual
Quais os meios mais comuns de acontecer exploração sexual infantojuvenil?
Exploração e abuso sexual: um grande desafio
O MPF está atento a pedofilia. Você também?
Como identificar o pedófilo
A lei garante a proteção contra o abuso e a exploração sexual



 

Ações do documento
Ferramentas Pessoais